Pesquisar no site

terça-feira, 19 de abril de 2016

Nay Porto - Papo aberto sobre Iniciação e Desenvolvimento após 'O Salto Quântico Genético'

abril 19, 2016



Depois de enfrentar dificuldades iniciais para um contato mais eficiente com a sua Supraconsciência, Nay Porto entrou num caminho sem volta de desenvolvimento pessoal. Com isto, se tornou capaz de facilitar o desenvolvimento de outras pessoas também. 

Mas o que será que ela fez para romper essa dificuldade inicial? O que ela descobriu sobre si mesma e o Universo? 

Foi uma longa e interessante conversa com mais esta iniciada promissora que você pode conferir aqui!

_______________________________________________

Força Subconsciente 
Olá, Nay!

Nay Porto
Olá!

Força Subconsciente 
Tudo bem?

Força Subconsciente 
Beleza.

Força Subconsciente 
Olha, eu li o teu depoimento para o Bruno sobre o teu Salto, achei muito interessante o que te aconteceu depois.

Nay Porto
Legal. Depois do Salto?

Força Subconsciente 
Fora que fiquei sabendo do teu trabalho hoje em dia ajudando pessoas.
Aí eu pensei: tá aí uma iniciada boa de entrevistar! Hahahaha
Mas vamos pensar deeeeeeeesssssdeee lá do começo.
Podes te apresentar pra nós e dizer como tomou conhecimento do Salto?

Nay Porto
Sim. Comecei a pesquisar sobre Salto Quântico. Daí achei os vídeos do Bruno; assisti todos e pensei “eu ainda vou fazer isso” e depois de alguns meses alguém pagou para mim e para ele irmos juntos fazer a iniciação com o Bruno.

Força Subconsciente 
Como era tua espiritualidade até então?

Nay Porto
Latente e reprimida. Quando ficou muito forte fiz um trabalho de involução.
Porque estava me atrapalhando...e porque envolvia espíritos do 4º plano e com eles não hora nem lugar...

Força Subconsciente 
Acho que isso fica meio vago de entender, pelo menos para mim. Como foi esse trabalho pessoal de involução? O que esses espíritos te faziam?

Nay Porto
A involução aconteceu quando procurei Centros Kardecistas, Umbandistas e magos...Daí travou tudo.
Em 2012 quando conheci o trabalho do Bruno queria alguma coisa, mas não sabia o quê...
As entidades me tocavam, falavam em alto e bom tom; eu tinha sonhos lúcidos toda noite e, às vezes, eram sobre coisas que iriam acontecer; psicografava e eles tomavam o meu corpo emprestado...eu só ficava sabendo depois quando alguém me contava...Eu não lembrava de nada.

Força Subconsciente 
Era isso que ia perguntar. Tua família é espiritualista?

Nay Porto
Pai maçom.

Força Subconsciente 
Hum...
Essa proximidade com a Maçonaria te beneficiou ou dificultou nessas coisas?

Nay Porto
Meu pai sabia de muita coisa, mas escondia. Quem entendia tudo muito bem era minha irmã...
Meu Elemental físico era ingênuo...puro como uma criança. Demorei para mudar.

Força Subconsciente 
O que tua irmã entendia?

Nay Porto
Da espiritualidade. Do mundo espiritual...
Minha Supra diz que fui programada assim para receber tudo desse plano sem questionar...como uma criança mesmo. Ou seja, para me f... mesmo.

Força Subconsciente 
Bem, e como era pra eles da tua família te ver apossada por espíritos? Com que idade começaram esses fenômenos?

Nay Porto
Começou a ficar forte depois do óbito do meu pai, mas durou pouco tempo. Eles só viram isso acontecer uma vez. Depois procurei ajuda muito rápido e resolvi.

Força Subconsciente 
Mas ainda não nos disseste de onde é, idade, com o que trabalha
etc.

Nay Porto
Prefiro não falar sobre isso.Trabalho na área da saúde. Mas agora faço atendimento terapêutico e workshops.

Força Subconsciente 
Ta bem.
Quando decidiu que faria O Salto então?

Nay Porto
Fiz o Salto em 2013 quando alguém me presenteou.

Força Subconsciente 
E como foi O Salto em si? A tua expectativa como era? Saiu triste de lá?

Nay Porto
Se eu não estivesse com tanto medo e ansiedade teria sido melhor.
Comecei a ver umas imagens, mas congelou.
Não fiquei triste, mas o Bruno ficou decepcionado. Eu não sei desistir.


Para não deixar nenhuma ideia vaga aqui na conversa, resolvi pedir ao Bruno que respondesse sobre o caso para publicar aqui juntamente a sua resposta. Resposta aos leitores:

Olá, sou o Bruno G.M. e o Força me pediu para esclarecer esse ponto, a Nayara disse que fiquei “decepcionado” isso foi jeito de falar, eu não fiquei decepcionado, mas sim triste, pois na primeira vez que a Nayara veio ela não teve acesso as memórias de vidas passadas. E naturalmente eu o ministrador da iniciação desejo que todos tenham sucesso, quando um não obtém sucesso fico frustrado junto com a pessoa. Decepção já acho que é outra coisa, imagine eu “decepcionado” pela Nayara ser uma “incompetente” por não ter conseguido acessar memórias de vidas passadas? Ridículo né? Então não foi decepção que senti, mas sim frustração, e tristeza. Depois de algum tempo a Nayara voltou em outro seminário acompanhando um amigo, e depois ainda voltou para acompanhar a irmã, e ai ela teve sucesso. Sobre esse meio que ela (Nayara) encontrou para destravar o seu processo eu sei pouco, pois eu teria de acompanhar ela trabalhando em alguém travado para entender a forma que faz isso.

Nay Porto
Depois o Bruno fez uma sondagem. Daí voltei à SP para levar outra pessoa para fazer o Salto e o Bruno fez outro desbloqueio em mim. Daí ouvi telepaticamente minha Supra, mas ela deixou bem claro que era para manter silêncio sobre o que as informações que iria receber.
Porque o Bruno tinha um tipo de pressentimento sobre mim (eu creio), mas não perguntei e ele tb não me disse o que era.
Eu faço parte da tão falada Liga.

Força Subconsciente 
Maravilha.
Não vou te perguntar o que é que não podes falar, ainda mais agora sabendo que é da Liga
hahaha...

Nay Porto
kkkkkk Grata.

Força Subconsciente 
Mas pode compartilhar sobre tua origem?

Nay Porto
Sim.
Minha origem foi num laboratório em algum lugar na constelação das Plêiades.


Constelação das Plêiades fotografada pelo Hubble


Força Subconsciente 
Viu tua origem logo no primeiro desbloqueio que fez ou foi no segundo?
Como foi a sensação de ter acesso a supraconsciência pela primeira vez?

Nay Porto
Corpo humanoide, exoesqueleto, cabeça de inseto. Dirigia naves espaciais, criada para obedecer às ordens sem questionar.
No primeiro me vi numa caverna onde fiquei presa por quase mil anos, nas zonas escuras do oceano.
No segundo ouvi o nome da ordem intergaláctica na qual trabalho.

Força Subconsciente 
Bem legal.
As sensações?

Nay Porto
Fui criada pelo Império.
Sensação de crescimento do corpo físico. E um frio congelante...o Bruno disse que fui assassinada várias vezes; e ele estava certo. Depois minha Supra me mostrou em sequência. E não senti nada.

Força Subconsciente 
Ainda bem, por que a sensação de ser assassinado não é muito agradável. Kkkk...

Nay Porto
Não sei. Não lembro.
kkkk

Força Subconsciente 
Sim, mas eu lembrei algumas.

Nay Porto
Mas é muito interessante observar sem sentir...vc presta atenção em coisas que eram imperceptíveis...

Força Subconsciente 
Das vidas aqui na Terra, o que lembrou?
Quando foi o primeiro nascimento aqui?
Viveu logo no plano físico ou ficou no astral muito tempo antes?

Nay Porto
O primeiro foi o pior que relembrei.
Africana, pobre, faminta, sofrendo violência. Morri aos 13 anos.

Força Subconsciente 
Aff... q droga...

Nay Porto
Sem problemas.

Força Subconsciente 
Imagina... com problemas
muitos
rsrsrsr
Lembrou de mais?

Nay Porto
Sim muitas. A maioria como mulher. Depois da primeira, minhas vidas foram boas e fartas. Sempre casada com um carcereiro do Império e rica para me manter afastada da realidade das massas. Mesmo assim me meti em muita confusão.

Força Subconsciente 
Humm... interessante isso aí. Então quer dizer que a riqueza que tinhas nessas vidas te mantinha alienada?

Nay Porto
É como se não tivessem conseguido apagar minha lucidez, minha consciência maior sempre questionava e lutava contra o sistema. Por isso os assassinatos e a prisão de mil anos nas zonas abissais.
Sim.

Força Subconsciente 
Particularmente, tive vidas como mulher também. Todas foram horríveis por que as mulheres sempre foram uma categoria muito oprimida, violentadas de todas as formas. Faço esse adendo para lembrar os leitores da importância do Feminismo e dos demais movimentos em prol das minorias. É bom que vejam que espiritualidade não é só entender coisas do mundo astral, é entender muito dos problemas daqui. Fica a dica! rsrsrs...

Força Subconsciente 
Mas como foi isso de ficar presa nessas cavernas?
tem ideia em que época da Terra foi isso?

Nay Porto
Sim. Foi na época dos falsos faraós. Quem me prendeu foram os sacerdotes que, na verdade, eram quem governavam o Egito na época.
O faraó era só um idoso comum e doentio. Sem nenhum atributo especial.
E eu queria contar para o povo que estavam sendo enganados. Eu era o sacerdote que matinha o faraó vivo. Daí meus outros colegas armaram contra mim.

Força Subconsciente 
Bem, e em casa depois do salto, passado o tempo o contato com a supra sempre foi fácil pra ti?

Nay Porto
Não. O contato só ocorreu de fato quando perdoei uma pessoa da qual tinha muita mágoa. Perdoei porque fiquei sabendo que estava sendo aliciado no 4º plano em alguma colônia espiritual. O meu amor foi maior que a mágoa.
Nesse instante saiu uma luz do meu 3º olho e quase caí de costas. Vi essa luz como um farol que quebrou alguma barreira que envolvia o planeta e seguiu...

Força Subconsciente 
Nay, uma pessoa me disse por e-mail que tu te beneficiou muito da Revogação de acordos, mas não sei bem o quanto e se tu confirmas isso. Pra mim é interessante demais saber.
Por que eu não tenho nenhum relato substancial
das pessoas sobre isso
embora algumas tenham me relatado superficialmente q sim

Nay Porto
Sim. Vc faz esse trabalho também.
É muito importante os acordos são como correntes. E dão direito a outros seres de nos cobrarem de diversas formas pela acordo, comprometimento, etc
É muito importante os acordos são como correntes. E dão direito a outros seres de nos cobrarem de diversas formas pela acordo, comprometimento, etc
Os acordos envolvem uma energia densa. E prendem as pessoas umas às outras, e até em outros planos, dimensões, etc

Força Subconsciente 
Eles se localizam em diversas camadas do sujeito estão em variadas formas, tipos, codificações.
Enfim, o contato com a supra se tornou algo fácil então?

Nay Porto
Sim. E é bom lembrar que é bom banir as palavras "eu juro", "eu prometo" do vocabulário porque terá que cumprir e está dando direito a outrem de te cobrarem.
Sim. Hoje está legal.

Força Subconsciente 
Que bom.

Nay Porto
O que fiz com vc e gostei muito porque deu certo foi a Pré-Ativação para fazer os 21 dias.
Eu super recomendo. E a revogação de contratos tb porque ao se livrar deles são correntes que estão sendo retiradas.

Força Subconsciente 
Fico feliz.
Hoje, tu tens um trabalho terapêutico com as habilidades que desenvolveu pós-salto, confere?
Pode falar sobre isso?

Nay Porto
E eu tb. Feliz e grata pelo teu trabalho.

Força Subconsciente 
Que habilidades tu tens hoje e de que forma tu beneficias outras pessoas?

Nay Porto
Minha Supra me deu a A3P que é para expandir as capacidades psíquicas das pessoas, mas hoje vejo que fazer a A3P com um monte de crenças, contratos e emoções acumuladas no indivíduo é trabalho perdido.

Força Subconsciente 
O que é A3P?

Nay Porto
Fiz vários cursos. Estudei várias técnicas...mas atendo as pessoas e converso com a Supra delas e sou guiada a fazer o melhor trabalho com tal técnica.
A A3P é a abertura da porta do poder pessoal aquilo que só vc tem, só vc está habilitado...é o acesso ao seu diferencial

Força Subconsciente 
Nesse ponto não é diferente do meu. Procuro contatar a supra da pessoa pra saber o que fazer, junto as orientações da minha

Nay Porto
O seu especial, o seu melhor...

Força Subconsciente 
Uia... Me consegue uma sessão disso
pelessa água de gzus
Tu tens alguma página onde as pessoas possam coletar informações e te contatarem pra fazer esse trabalho contigo?

Nay Porto
kkk simbora. Para fazer a A3P tem que estar o mais limpo possível dos 3Rs (raiva, ressentimento e remorso) e dos contratos que envolvem essas crenças.

Força Subconsciente 
hummm
acho que me limpei bastante nesses anos.
Vou entrar em contato pra marcar, com certeza!!!

Nay Porto
No final vc senti como se o tampo da sua cabeça estivesse soltado, o chacra da coroa abre muito (até arde o couro cabeludo) e começa a receber informações dos planos superiores em Bloco.

Força Subconsciente 
eta, glória

Nay Porto
Vc pensa e as informações chegam de forma não linear. Daí pode ocorrer telecinese, viagem astral, manifestaçções rápidas, clarividência, etc...

Força Subconsciente 
Então tivesses uma mudança drástica com o despertar à supraconsciência
Os tormentos com aqueles espíritos passaram?

Nay Porto
Sim. Mas o que realmente abre a PORTA de tudo isso é sentir o nosso valor próprio, auto-confiança, auto-estima.
Sim. Passaram porque não vibro mais na faixa deles.
Vc faz muitas perguntas ao mesmo tempo. kkk e eu me esqueci de desenvolver a super velocidade.

Força Subconsciente 
Ah, desculpa. É que eu vejo q tu demora pra responder
aí eu acho que não via dizer mais nada
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Nay Porto
tenho que escolher as melhores palavras porque cada uma tem um peso e uma energia diferente.

Força Subconsciente 
ui
O contato pras pessoas que querem vivenciar isso contigo?

Nay Porto
Vc sabe disso tb.
sentinelaestelar@gmail.com
ou whats 31 9 9875-0357 (vivo)

Força Subconsciente 
Página no face?

Nay Porto
"Instituto Porta do Poder Pessoal". 
Blog, site não montei ainda. Ainda estou pensando como vai ser isso.
E minha Supra ainda não me deu sinal verde para avançar mais. Tudo a seu tempo.

Força Subconsciente 
Que legal.... vou deixar o link grandão aqui para as pessoas caírem dentro!
Nay Porto
Que legal! Grata!

Força Subconsciente 
Quer falar mais alguma coisa pra finalizar?

Nay Porto
Depois combinamos sua sessão de A3P. Mas pode ficar tranquilo...vou ter acesso a todos os seus segredos...kkkk

Força Subconsciente 
QUERO.
Ahahaha.... minhas vidas são um livro aberto!

Nay Porto
Sim. Peço as pessoas que se centrem no aqui e agora e que...busque todas as respostas que precisam dentro de si mesmas! Namastê

Força Subconsciente 
Namastê!
Gratidão por esta conversa!
Espero que tenha muita visibilidade
e é um orgulho e privilégio ter acompanhado essas tuas superações, ainda que momentaneamente.
Sigamos junto nesse caminho de levar as pessoas ao estado máximo de si mesmas.

Nay Porto
Grande abraço! E gratidão! Vc fez parte dessas superações...

Força Subconsciente 
Gratidão!




FORÇA SUBCONSCIENTE


Não acredite em nada.
Nem mesmo no que é dito aqui.
Questione-se. Reavalie suas crenças.
Experimente. Tenha suas experiências pessoais.

sábado, 16 de abril de 2016

Solidão, uma nova epidemia

abril 16, 2016

Uma em cada três pessoas sente-se sozinha na sociedade da hiperconexão e das redes sociais




'Reflexo em uma janela de Altamira' (Caracas), do fotógrafo Christopher Anderson. 


Qualquer um pode sofrer com solidão crônica: uma criança de 12 anos que muda de escola; um jovem que depois de crescer em uma pequena comunidade sente-se perdido em uma grande cidade; uma executiva que está ocupada demais com sua carreira para manter boas relações com seus familiares e amigos; um idoso que sobreviveu a sua parceira e cuja saúde fraca dificulta fazer visitas. A generalização do sentimento de solidão é surpreendente. Vários estudos internacionais indicam que mais de uma em cada três pessoas nos países ocidentais sente-se sozinha habitualmente ou com frequência. Um estudo de 10 anos que iniciamos em 2002 em uma grande área metropolitana indica que, na verdade, essa proporção aproxima-se mais de uma em cada quatro pessoas em alguns locais, uma taxa que segue sendo muito alta.

A maioria dessas pessoas talvez não seja solitária por natureza, mas sente-se socialmente isolada, embora esteja rodeada de gente. O sentimento de solidão, no começo, faz com que a pessoa tente estabelecer relações com outras, mas, com o tempo, a solidão pode acabar em reclusão, porque parece uma alternativa melhor que a dor, a rejeição, a traição ou a vergonha. Quando a solidão se torna crônica, as pessoas tendem a se resignar. Podem ter família, amigos ou um grande círculo de seguidores nas redes sociais, mas não se sentem verdadeiramente em sintonia com ninguém.

Uma pessoa que se sente sozinha geralmente está mais angustiada, deprimida e hostil, e tem menos probabilidades de realizar atividades físicas. Como as pessoas solitárias tendem a ter mais relações negativas com os outros, o sentimento pode ser contagioso. Os testes biológicos realizados mostram que a solidão tem várias consequências físicas: elevam-se os níveis de cortisol – o hormônio do estresse –, a resistência à circulação de sangue aumenta e certos aspectos da imunidade diminuem. E os efeitos prejudiciais da solidão não terminam quando se apaga a luz: a solidão é uma doença que não descansa, que aumenta a frequência dos pequenos despertares durante o sono, e faz com que a pessoa acorde esgotada.

O motivo é que, quando o cérebro entende o seu entorno social como algo hostil e pouco seguro, permanece constantemente em alerta. E as respostas do cérebro solitário podem funcionar para a sobrevivência imediata. Mas, na sociedade contemporânea, em longo prazo, cobra um preço da saúde. Quando nossos motores estão constantemente acelerados, deixamos nosso corpo exausto, reduzimos nossa proteção contra os vírus e inflamações e aumentamos o risco e a gravidade de infecções virais e de muitas outras doenças crônicas.
Josef Koudelka (Magnum)

Quando uma pessoa está triste e irritada, talvez esteja pedindo que alguém a ajude
Uma análise recente – de 70 estudos combinados, com mais de três milhões de participantes – demonstra que a solidão aumenta o risco de morte em 26%, aproximadamente o mesmo que a obesidade. O fato de que mais de uma em cada quatro pessoas em países industrializados pode estar vivendo na solidão, com consequências certamente devastadoras para a saúde, deveria nos preocupar.

Em nossas investigações, também observamos que cada medida positiva para melhorar a qualidade das relações sociais melhora a pressão arterial, os níveis de hormônios do estresse, os padrões de sono, as funções cognitivas e o bem-estar geral.
Com frequência, as pessoas solitárias não estão conscientes de muitas das coisas que estão acontecendo: não percebem. Por exemplo, a hipervigilância é aguçada de forma implícita em busca de ameaças sociais e a capacidade de controlar os impulsos é reduzida. Mas, assim como acontece com a dor física que nos informa de uma possível lesão em nosso corpo, o sentimento de solidão nos indica a necessidade de proteger ou consertar nosso corpo social.

Os familiares e amigos geralmente são os primeiros a detectarem os sintomas de solidão crônica. Quando uma pessoa está triste e irritável, talvez esteja pedindo, em silêncio, que alguém a ajude e se conecte com ela. A paciência, a empatia, o apoio de amigos e familiares, compartilhar bons momentos com eles, tudo isso pode fazer com que seja mais fácil recuperar a confiança e os vínculos e, por fim, reduzir a solidão crônica.

Infelizmente, para muitos, falar com sinceridade sobre a solidão continua sendo difícil, porque é uma condição mal compreendida e estigmatizada. No entanto, dadas sua frequência e suas repercussões na saúde, teria que ser reconhecida como um problema de saúde pública. Deveria receber mais atenção nas escolas, nos sistemas de saúde, nas faculdades de medicina e em asilos para garantir que os professores, os profissionais de saúde, os trabalhadores de creches e de abrigos de terceira idade saibam identificá-la e abordá-la.

As redes sociais podem abrir novas vias para conectar-se com os demais? Depende de como forem utilizadas. Quando as pessoas usam as redes para enriquecer as interações pessoais, isso pode ajudar a diminuir a solidão. Mas, quando servem de substitutas de uma autêntica relação humana, causam o resultado inverso. Imagine um carro. Se uma pessoa o conduz para compartilhar um passeio agradável com seus amigos, certamente se sentirá menos sozinha; se dirige sozinho para cumprimentá-los de longe e ver como os demais estão se divertindo, sua solidão certamente seguirá igual ou até mesmo pior.

Falar com franqueza sobre a solidão continua sendo difícil, mas é um problema de saúde pública.

Infelizmente, muitas pessoas solitárias tendem a considerar as redes sociais como um refúgio relativamente seguro para se relacionar com os outros. Como é difícil julgar se as outras pessoas são dignas de confiança no ciberespaço, a relação é superficial. Além disso, uma conexão pela internet não substitui uma real. Quando uma criança cai e machuca o joelho, uma mensagem compreensiva ou uma chamada pelo Skype não substitui o abraço de consolo dos seus pais.

Atualmente, vários países, particularmente a Dinamarca e o Reino Unida, criaram programas nacionais de conscientização do público sobre a solidão crônica, para difundir um melhor conhecimento de suas consequências catastróficas e para melhorar as intervenções, as políticas para abordar esse problema e financiá-las.