A ciência vem sendo usada por charlatões para "provar" falsas verdades e adoecer a população e o ecossistema.
Quem está por trás da tão possível privatização da água? Se ela for privada, como ficará a vida de quem não puder pagar por ela? A privatização das coisas públicas faz bem para quem?
Um jovem prodígio brasileiro, com muito pouco recurso, na sua escola técnica desenvolveu uma tecnologia capaz de tornar pessoas em coma comunicáveis.
As tecnologias da comunicação interconectaram o mundo, mas agora estão dando brecha para que mentiras e fatos mal-interpretados decidam o destino das pessoas. A quem interessam as Fake News?
O mistério dos corpos que não se desfazem depois da morte. A santidade da personalidade que ali habitava é que causa esse fenômeno? Mistério!

Pesquisar no site

segunda-feira, 30 de abril de 2018

REIKI : Cura Espiritual ou Paliativo? - Conspiração Em Dimensões Paralelas

abril 30, 2018
INTRODUÇÃO
Dhin Akari

Este artigo vai lhe incomodar.

Ele vai incomodar principalmente a você que gosta e pratica Reiki. Vai incomodar você que sempre opta por compreender a espiritualidade como algo predominantemente bom e que não oferece riscos, apenas curas e "luz".
 
É muito importante que você saiba o que são O Salto Quântico Genético, a Supraconsciência e os Iniciados do Bruno Guerreiro de Moraes, para entender como obtemos praticamente todas as informações publicadas nesse site. Sem isso, você não vai entender qual a nossa razão de estarmos aqui divulgando algo que vá de choque com as suas crenças positivas e confortáveis sobre o Reiki.

Este site surgiu como um blog há 7 anos (2011) e desde então vamos compartilhando nossas descobertas dramáticas sobre o que vivem as almas humanas na Terra multidimensional. Isso vem gerando muito atrito com kardecistas, cristãos de todos os seguimentos, apometristas, new ages e agora (mais do antes)... reikianos.

Entendam que nada disso é feito no intuito de atacar, mas ao informarmos qualquer coisa que conflitue com o que está estabelecido como bom e verdadeiro no senso comum, somos interpretados como "agressores". As pessoas é que irracionalmente logo se sentem atacadas nas suas crenças.

Definitivamente não é a intenção.

O objetivo é exclusivamente informar, esclarecer e dar a você a chance de refletir sobre verdades não questionadas até então e safar-se de emboscadas inteligentemente colocadas nas práticas espirituais aparentemente inocentes. 

Se você tiver saúde mental para isso, mesmo que doa conseguirá entender e, quem sabe, passar pela mesma experiência da nossa iniciação e despertar derradeiramente o seu Deus Interior - sem os devaneios tão comuns que se encontram por aí com promessas e "esquisoterices" de líderes e mestres espirituais.

O processo para a descoberta de uma espiritualidade verdadeira é doloroso por que nos mostra que nem tudo que reluz é ouro. Aqui na Terra, temos muito mais seres "espirituais" dispostos a nos atrapalhar do que ajudar realmente. E se você quiser despertar o seu Eu Maior de uma forma muito concreta e tangível, precisará ter força para resistir a duras verdades como as que veem a seguir.

O artigo é uma edição que fiz de uma conversa do Bruno Guerreiro de Moraes com duas iniciadas suas. Aqui estão só as respostas dele organizadas como um grande texto explicativo.

Leia tudo. Depois siga todos os links indicados desde o começo até o fim deste texto para entender bem antes de fechar-se em conclusões. Comunique-se conosco, iniciados do SQG, e vá considerando a possibilidade de estarmos certos.


SOBRE O REIKI
 Bruno Guerreiro de Moraes

Já vieram no meu seminário pelo menos 6 Reikianos, sendo que 4 eram mestres de nível mais alto (Mestre).

Todos reconheceram que foram enganados e deixaram os malignos colocar implantes neles e nos outros contra a vontade. Reconheceram que Reiki é paliativo, não resolve muito, apenas mascara os sintomas, varre os problemas para debaixo do tapete.

Então... essas pessoas ficaram bem abaladas, eles/elas ficaram sem rumo, não sabem o que fazer da vida agora...

Mas por enquanto, vão... sei lá, continuar aplicando o Reiki só que desta vez mudando o método... não sei, estão como disse, sem rumo, não sabem o que fazer...

... você deveria ter "sacado" qual é a real do Reiki, não? Não procurou saber como é que funciona isso? Nunca se submeteu a um tratamento de Reiki?

Certo... veja. Basta perguntar a uma pessoa reikiana como isso funciona que ela te explica, basicamente o aplicador vai visualizar um símbolo tipo chinês que significa algo, tal como: "força", "coragem", ou "prosperidade", ai ele vai "emitir" esse símbolo, pedindo para sei lá quem inserir os símbolos nos chakras.
É então um implante que se coloca nos chakras! Os Reikianos mais antigos, falam que no Japão, onde isso nasceu, para você ser aceito como alguém que poderia aplicar o Reiki era necessário passar por uma "aprovação" divina, as pessoas tinham que ser estudadas da cabeça aos pés, e inclusive mentores espirituais eram consultados para investigar as vidas passadas daquela pessoa, e se a pessoa nas últimas encarnações teve uma má conduta, então ela era rejeitada.

Podia ser a pessoa mais Meiga e gentil... não importa, se tem 'mancha' no passado então não é confiável, não pode aplicar implantes positivos nos outros.

Mas o que se vê hoje, é que isso generalizou, e agora qualquer um pode aprender a aplicar Reiki e mexer nos chakras dos outros... isso é lastimável, pois mesmo que não tenha nenhum espírito negativo se aproveitando, só da pessoa que tá aplicando ser desqualificada, ou não saber exatamente o que está fazendo, já provoca os mais diversos problemas em quem recebe os implantes nos chakras.
Veja... mexer no sistema de chakras é algo como mexer nos seus órgãos do corpo físico, os chakras são órgãos dos corpos mais sutis. Agora me diga, você deixaria qualquer um abrir o seu corpo e mexer nas suas tripas(interior do corpo) para fazer uma operação complexa?

Logicamente que não né? A tal pessoa teria que mostrar toda a qualificação e experiência, para você aceitar ser operada por ele/ela. Certo?

O Reiki original era assim, extremamente exigente.

Era até secreto, mas não sei bem o que houve, alguns "bem intencionados" quiseram divulgar isso ao mundo, ai virou essa “bagunça” que vemos hoje.

“De boas intenções, o inferno tá cheio”.

O "L." é um “mestre Reiki autêntico”, mas a verdade é que mesmo esses "autênticos" eu vejo com desconfiança, pois os seres que nos escravizam podem muito bem usá-los, canalizando através deles novos implantes sabotadores. 

É muito simples fazer isso, basta se mostrarem belos e "luminosos” que não tem "mestre" que não vai aceitar o 'mentor'.

Já vieram vários mestres Reiki nos meus seminários, pelo que me relataram o que se faz no Reiki é simplesmente colocar implantes nos chakras das outras pessoas e assim disfarçar os sintomas. 

Conheço pelo menos 3 mestres de nível Máximo que escutaram isso e de fato concordaram. 

Eles concordaram comigo que o Reiki é apenas paliativo, ele apenas esconde os problemas, varre para de baixo do tapete...

- A outra pessoa fala aqui da Armadura Etérea que construiu com a própria Supraconsciência como uma forma de se proteger as implantações que possam vir com a sessão/curso de Reiki que pretendia fazer até então. -

Certo... não sei bem se está assim tão protegida, pois o que adianta blindar o carro se você anda de porta aberta? Foi feita uma armadura para te proteger, mas se você permite que outros entrem e coloquem implantes... bem é como abrir as portas da sua casa para qualquer um entrar. 

Fico feliz pelo seu entusiasmo, mas não esqueça que esse mundo em que estamos é um campo de concentração para extermínio. Todo cuidado é pouco, ingenuidade aqui é paga com sofrimento e destruição. Lamento ter de te dizer isso, mas infelizmente é a realidade... 

Ótimo, então eu espero que você peça conselhos para a SupraConsciência antes de fazer qualquer coisa importante, e tomara que você não se confunda com as respostas. 

Teve um mestre Reiki de nível Máximo que veio ao seminário e disse ter até "mentor", mas quando fiz o desbloqueio ficou sabendo que estava totalmente enganado, não era mentor coisa alguma, era um agente da escravidão agindo para sabotá-lo. Ele estava todo bloqueado, lotado de implantes pesados, não teve muito sucesso com o ‘Salto’, pois ele permitiu ser sabotado demais, colocaram dezenas de implantes nele dizendo que era para o bem-estar, mas na verdade era para bloqueá-lo. 

Eu pensava em fazer cursos de Reiki, mas depois de constatar isso não quero mais. 

I., espero que continue fazendo progressos e que logo possa fazer o Nível II do Seminário o ‘Salto’.
Não é pela pessoa que está na Terra que você deve tirar conclusões, mas sim quem está "por trás" da cortina. Exemplo: Eu posso ser um cara muito bom, alguém que só deseja o bem, sou sincero no que faço.

Mas posso estar sem saber, a ser usado como instrumento para fazer o mal, para causar prejuízos em vez de lucros. Não é maldade minha! 

Eu apenas não sei o que está acontecendo, assim eu posso ser, por exemplo, um vendedor de sucos naturais que não sabe que no suco tem partículas de veneno, e que se as pessoas continuarem bebendo o que vendo vão acabar tendo uma doença incurável do coração, (doença de chagas). 

É muito comum os escravistas aqui nesse mundo usarem de alguém carismático e bondoso (porém mal informado) para atrair as "ovelhas", o tal tolo é o pastor das ovelhinhas! Mas o que esse "pastor" não sabe é que as ovelhas depois de crescerem aos seus cuidados vão ser mortas, esquartejadas e finalmente devoradas. 

Mas o bondoso "pastor" não sabe disso, ele apenas leva as ovelhinhas felizes até um certo lugar quando já estão crescidas e então deixa elas lá dizendo que seu trabalho está terminado, e que outro mais competente que ele vai cuidar delas. 

O tal "mais competente" é um açougueiro! (Risos) 

Mas claro que o pastorzinho não sabe disso, pois se soubesse se rebelaria. 

Esse é meu trabalho, mostrar aos "pastores alienados" e suas ovelhas, o verdadeiro esquema desse mundo para que então se rebelem, para então pararem esse circulo de destruição que já está ativo desde tempos imemoriais. Em meu livro você vai ter mais detalhes desse assunto. 

O nível II do seminário é onde você aprenderá mais sobre as possibilidades ilimitadas dos seus potenciais adormecidos, serão ensinadas algumas técnicas de desenvolvimento psíquico e também um aprofundamento do ‘Salto’, como por exemplo: entrar no segundo corpo, meridianos energéticos, kundalini, e as possibilidades de ativação das forças ocultas da mente, que algumas tradições orientais fazem. 

Abraço e até logo.
 -Bruno Guerreiro de Moraes


FORÇA SUBCONSCIENTE
"Melhor a mais amarga das verdades do que a mais doce mentira."
 

terça-feira, 24 de abril de 2018

Banco Mundial recomenda menos regulamentações protegendo trabalhadores.

abril 24, 2018
Sindicatos alarmados com a sugestão de que reformas estruturais profundas são necessárias para se ajustar à natureza mutante do trabalho.

Correio de documento robotizados em um hospital tailandês. O relatório do Banco Mundial foi preparado em parte para considerar o crescente impacto da automação no emprego. Foto: Rungroj Yongrit / EPA


O Banco Mundial está propondo salários mínimos mais baixos e maiores poderes de contratação e demissão para os empregadores, a parte de uma ampla desregulamentação dos mercados de trabalho considerada necessária para preparar os países para a natureza mutável do trabalho.


Um rascunho preliminar do principal Relatório de Desenvolvimento Mundial do banco (RDM) - que exigirá ações políticas dos governos no outono - diz que são necessários regulamentos menos "onerosos" para que as empresas possam contratar trabalhadores a um custo menor. As controversas recomendações, que visam principalmente os países em desenvolvimento, alarmaram os grupos que representam o trabalho, que dizem estar congelados no processo de consulta do Banco.


Peter Bakvis, representante em Washington da Confederação Internacional de Sindicatos, disse que as propostas eram prejudiciais, retrógradas e desalinhadas com a agenda de prosperidade compartilhada apresentada pelo presidente do banco, Jim Yong Kim.


Ele acrescentou que a visão do RDM sobre o futuro mundo do trabalho veria as empresas dispensadas do ônus de contribuir para a seguridade social, ter a flexibilidade de pagar salários tão baixos quanto quisessem e de demitir à vontade. Os sindicatos teriam um papel menor em novos arranjos para “expandir as vozes dos trabalhadores”.


O documento “ignora quase que completamente os direitos dos trabalhadores, o poder assimétrico no mercado de trabalho e os fenômenos, como o declínio da participação do trabalho na renda nacional”, disse Bakvis.


A Organização Internacional do Trabalho também expressou preocupação com as propostas, que incluem o direito de os empregadores optarem por não pagar o salário mínimo se introduzirem esquemas de participação nos lucros para seus trabalhadores.


O rascunho do RDM diz: “Elevados salários mínimos, restrições indevidas na contratação e demissão, formulários contratuais rígidos, todos tornam os trabalhadores mais caros em relação à tecnologia.”


Cinco anos atrás, o Relatório sobre o Desenvolvimento Mundial de 2013 do Banco Mundial concluiu que os regulamentos trabalhistas tiveram pouco ou nenhum impacto sobre os níveis de emprego,  mas o esboço para o RDM de 2019 diz que, se os trabalhadores forem caros para serem demitidos, menos serão contratados. “Regulamentações onerosas também tornam mais caro para as empresas reorganizarem sua força de trabalho para acomodar mudanças tecnológicas.”


O relatório está sendo preparado em meio à crescente especulação sobre o impacto da inteligência artificial e da automação no emprego e nos salários nas próximas décadas.


“Mudanças rápidas na natureza do trabalho reforçam a flexibilidade para que as empresas ajustem sua força de trabalho, mas também para aqueles trabalhadores que se beneficiam de mercados de trabalho mais dinâmicos”, diz o rascunho.


Bakvis disse que o esboço “propõe um programa de políticas de ampla desregulamentação do mercado de trabalho, incluindo salários mínimos mais baixos, procedimentos de demissão flexíveis e contratos de horário zero no estilo do Reino Unido. O declínio resultante da renda dos trabalhadores seria compensado em parte por um nível básico de seguro social a ser financiado em grande parte por impostos de consumo regressivos ”.


O documento diz que as regulamentações trabalhistas “protegem os poucos que mantêm empregos formais, deixando de fora a maioria dos trabalhadores” e o tipo de esquemas de proteção social que começaram com o chanceler alemão Otto von Bismarck no final do século 19 não eram apropriados porque cobriam apenas um terço das populações dos países em desenvolvimento.


Bakvis disse que o esboço não “examina opções para incentivar a formalização do trabalho, apesar dos esforços consideráveis da Organização Internadional do Trabalho para atingir esse objetivo e do progresso real que tem ocorrido em alguns países em desenvolvimento para oferecer os benefícios da formalização: proteção legal dos trabalhadores. “direitos, incluindo seu direito a locais de trabalho seguros e acesso à seguridade social.


“Em vez disso, o RDM toma a informalidade como um estado inevitável e, pior, implica que deve ser promovido. Tampouco examina como o enfraquecimento das instituições do mercado de trabalho por meio de estratégias corporativas deliberadas, como terceirização e relações de trabalho disfarçadas (por exemplo, classificando motoristas da Uber como prestadores de serviços independentes) pode ser combatido, oferecendo proteções legais para essas categorias de trabalhadores.


"Trabalhadores da economia de plataforma que se engajaram em campanhas pelo reconhecimento de seus direitos encontraram uma resistência feroz de suas empresas."


Bakvis acrescentou que o relatório insinuava o apoio a empresas como a Uber ao concordar que seus trabalhadores não eram funcionários, mas "emergiam como uma categoria de trabalho separada".


Um porta-voz do Banco Mundial disse: “Para estimular o debate e chamar a atenção para questões críticas, o relatório apresentará uma série de idéias sobre como os governos podem criar condições para os trabalhadores se beneficiarem de grandes mudanças tecnológicas, demográficas, urbanísticas e outros fatores.


“Para acabar com a pobreza e impulsionar a prosperidade compartilhada, é vital que consideremos novas iniciativas para enfrentar a ruptura que certamente virá dessas mudanças estruturais. Encorajamos e esperamos receber comentários e uma discussão orientada por evidências sobre esse tópico importante. ”

Fonte: The Guardian
Tradução: L.L.