A ciência vem sendo usada por charlatões para "provar" falsas verdades e adoecer a população e o ecossistema.
Quem está por trás da tão possível privatização da água? Se ela for privada, como ficará a vida de quem não puder pagar por ela? A privatização das coisas públicas faz bem para quem?
Um jovem prodígio brasileiro, com muito pouco recurso, na sua escola técnica desenvolveu uma tecnologia capaz de tornar pessoas em coma comunicáveis.
As tecnologias da comunicação interconectaram o mundo, mas agora estão dando brecha para que mentiras e fatos mal-interpretados decidam o destino das pessoas. A quem interessam as Fake News?
O mistério dos corpos que não se desfazem depois da morte. A santidade da personalidade que ali habitava é que causa esse fenômeno? Mistério!

Pesquisar no site

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Os Símbolos dos Maçons


Por: Michael Schiavello27 de janeiro de 2017
Tradução Leonard Lng

É tão identificável quanto o símbolo da Nike e os arcos dourados do McDonald's. O esquadro e o compasso são o logotipo universal da Maçonaria, mas ela tem um significado mais profundo para mais de seis milhões de membros de uma sociedade envolta em segredos?
O verdadeiro significado do esquadro e do compasso maçônicas tem sido objeto de intenso debate e escrutínio. Entre as teorias populares não-maçons estão:

  • Formação de um hexagrama, indicando bruxaria e culto satânico
  • Parte do projeto do design Luciferiano de Washington DC
  • Criptograma para uma palavra oculta de grande poder
  • Uma fêmea de pernas abertas (esquadro) abrindo sua vagina para a impregnação do céu (compasso)
  • Representação de um ato heterossexual

POR QUE SÍMBOLOS?

Os símbolos estão à nossa volta e transmitem instantaneamente uma ideia abstrata que exigiria frases ou até parágrafos de texto para se relatar.

Evitamos parar nosso carro em um estacionamento ao ver o símbolo de uma cadeira de rodas pintada na vaga. Nós sabemos onde os banheiros estão localizados em qualquer ambiente público, e qual banheiro para entrar, pelo simples símbolo de uma figura branca de um homem ou mulher sobre um fundo azul. Uma luz verde é um símbolo para seguir adiante, uma luz vermelha um símbolo para parar e uma luz amarela um símbolo para esperar ou desacelerar.

As corporações empregam o uso de símbolos como um meio para os clientes identificarem imediatamente seus produtos. Estamos todos familiarizados com os arcos dourados do McDonalds, com a hélice branca da BMW girando em um céu azul, o swoosh da Nike, a faixa tripla da ADIDAS e a estrela da Macy's. Através de símbolos, as empresas são capazes de comunicar sua marca sem palavras, em vez disso incorporam essas imagens em nossas mentes.

Um símbolo é um objeto que representa, representa ou sugere uma ideia, imagem visual, crença, ação ou entidade material. Várias fés utilizam símbolos para representar suas doutrinas, como a cruz do cristianismo ou a estrela de Davi do judaísmo. Quando vemos uma cruz, as palavras “IGREJA” ou “IGREJA CRISTÔ não são necessárias - é o símbolo que transmite a mensagem. Uma sinagoga não precisa das palavras “TEMPLO JUDAICO” ou “SINAGOGA JUDAICA” postadas acima de sua entrada - a Estrela de Davi atende a esse propósito simbolicamente sem o uso de palavras. 


MAS QUAIS SÃO OS SÍMBOLOS “ILLUMINATI”?

Você pode perguntar: E sobre todos esses símbolos malignos dos chamados "illuminati" e satanismo que eu frequentemente leio na internet?

Deixe-me esclarecer uma coisa: um símbolo só é energizado pela sua interpretação dele, assim como um carro é movido apenas a gasolina. Sem gasolina, um carro é apenas uma casca. Sem interpretação, um símbolo é apenas um desenho. Um símbolo carrega tanto ou tão pouco poder quanto você escolhe investi-lo.

Um triângulo desenhado com giz de cera por uma criança de quatro anos de idade no jardim de infância não irradia nenhum grande poder nem transmite qualquer mensagem sublime ou verdade. É simplesmente um triângulo. Para o estudante de geometria do ensino médio, o mesmo símbolo de um triângulo é um símbolo do Teorema de Pitágoras, a² + b² = c². Para o maçom, um triângulo simboliza o homem completo em que os três lados da figura representam os três aspectos de uma pessoa: física, mental, espiritual ou mente, corpo e alma. Para o satanista, o triângulo - conhecido como triângulo taumatúrgico - é um símbolo usado para lançar feitiços ou convocar demônios. Um símbolo é tão poderoso quanto você permite que ele seja. Às vezes, na verdade na maioria das vezes, um triângulo é apenas um triângulo.

Símbolos significam para nós aquilo que nós interpretamos como significado. Um gato preto significa azar nos EUA, mas boa sorte no Japão. Para o budista, o símbolo da cruz significa pouco mais do que duas linhas cruzadas. Mas para um cristão, a cruz simbólica está no centro de seu sistema de crenças como o dispositivo sobre o qual Jesus Cristo morreu pelos pecados da humanidade. O simbolismo é tão poderoso quanto você permite.


UM SÍMBOLO PROGRESSIVO

A Maçonaria é considerada uma ciência progressiva, e o esquadro e o compasso são um símbolo progressivo que muda a aparência de acordo com o grau.

No primeiro grau da Maçonaria (Aprendiz) as duas pernas das bússolas ficam abaixo das duas pernas do quadrado.

No segundo grau (Companheiro), uma perna das bússolas fica acima do quadrado e a outra permanece abaixo do quadrado.

No terceiro grau (Mestre Maçom), ambas as pernas das bússolas ficam acima do quadrado, e é essa representação que é mais comumente vista fora de uma loja maçônica.

A progressão dos símbolos continua quando um maçom se torna um Pós Mestre de uma Loja - tendo cumprido um mandato como um Mestre eleito e instalado (encarregado) de uma loja - e o esquadro é substituído por um quadrante, ou um quarto de um círculo.


O ESQUADRO

O esquadro maçônico é um ângulo de noventa graus e, por ele, um maçom é ensinado a ajustar suas ações. No simbolismo do esquadro e o compasso, no entanto, esquadro representa o eu-base do homem, isto é, a sua natureza animal. Esta é a parte de você que, simplesmente, é o seu eu inferior.
Também conhecida como "natureza bruta" ou "natureza material", seu eu inferior é a versão mais crua de você; a parte de seu ser que é não-refinada, áspera, primitiva e inalterada por qualquer processamento.

O eu inferior centra-se no ego, constituído por componentes tais como: orgulho, culpa, agressão, raiva, ódio, egoísmo, ceticismo, amor condicional, hostilidade, ciúme, luxúria, vícios, elitismo, ilusão, negação, conformidade, tédio, a necessidade de atenção e validação, e a falta de realização da divindade em si mesmo.

O esquadro é, em essência, o homem não-refinado. Mas como isso?

Esquadros não são encontrados na natureza visível. Não há árvores quadradas, nem nuvens quadradas, nem animais quadrados, nem partes do corpo quadrado nem rochas quadradas. Portanto, um quadrado é algo que o homem faz, daí o quadrado maçônico e o símbolo do compasso representa o homem.


OS COMPASSOS

Os compassos maçônicos estão sempre abertos a 60° (um terço de 180 ° de um triângulo equilátero, representando o homem equilibrado em mente, corpo e alma). Emblematicamente, os compassos ensinam um maçom a circunscrever seus desejos e manter suas paixões nos devidos limites com toda a humanidade.

No simbolismo do esquadro e o compasso, no entanto, os compassos representam seu eu superior (o terço dos 180 ° que representa a alma), seus aspectos espirituais, que são capazes de pensamentos superiores - de uma vida além do material, da natureza de base física.

Compassos desenham círculos e círculos são encontrados na natureza visível. Portanto, as bússolas representam Deus, o Criador, um Poder Superior. Como tal, eles representam a divindade interior do homem, a centelha divina, o eu superior. Colocar os compassos sobre os esquadros representa todo o propósito da Maçonaria: melhorar a si mesmo e progredir acima da natureza básica de alguém. Ao fazer isso, um maçom se esforça para se tornar o melhor ser humano que puder, transcendendo seu ego e abraçando seu eu superior, a parte dele que é divina.


O PROGRESSO EXPLICADO

Como um aprendiz (primeiro grau) um maçom recém-criado ainda não aprendeu a elevar-se acima de sua natureza básica, portanto os pontos das bússolas (eu superior) estão abaixo do quadrado, pois sua natureza básica (quadrada) ainda domina seus pensamentos e ações.

Como Companheiro (segundo grau), ele está a caminho de transcender sua natureza básica e assim um ponto das bússolas fica acima da praça. Como Mestre Maçom (terceiro grau), diz-se que um Maçom aprendeu as lições necessárias para transcender sua natureza básica, deixar seu ego à porta e abraçar seu eu superior. Ambas as pontas do compasso estão agora posicionados sobre o esquadro, já que o eu superior tem, simbolicamente, controle sobre o eu inferior.


O QUE É TRANSCENDÊNCIA?

A transcendência é a verdadeira liberdade e o que nos separa dos animais. É nossa notável capacidade humana de superar as respostas programadas às variáveis externas e descobrir a causalidade interna.
A transcendência é a consciência liberta que chegou a tal nível de melhoria que pode se ver como a razão e não é mais um escravo do condicionamento da sociedade e do meio ambiente.

A transcendência revelará seu verdadeiro eu. Não a auto-caracterizada por associações com o seu eu exterior (como você olha, seu trabalho, seu casamento, seus hobbies, suas luxúrias, seus desejos materiais), mas os auto-caracterizados pelo padrão completamente consciente vitalizando a estrutura psicofísica. É a união entre a consciência e a vitalidade, a regra dinâmica que os anima, e não é simplesmente uma das várias respostas adaptadas às influências externas em sua vida.

A maioria das pessoas se caracteriza em conexão com seus eus externos. Esta é a natureza humana. Nós nos percebemos como o que vemos no espelho e nada mais. Nós nos caracterizamos pela nossa sensibilidade ao nosso exterior. Nossa natureza extraordinária real é o conhecimento de nós mesmos como totalmente livres de tais definições externas.


A FAÍSCA DIVINA

Para alcançar seu eu superior, elevar-se acima de sua natureza material, do seu estado bruto, do seu desejo animal, deve ser o objetivo da sua vida. Para fazer isso, é preciso reconhecer e despertar a centelha divina.

A centelha divina não é sobre acreditar em uma religião particular ou seguir uma certa crença. Apague todas as conotações religiosas da sua mente agora. Pense em sua centelha divina em termos de algo físico, anatômico, que pode ser explicado operativamente tanto quanto possa ser explicado especulativa ou filosoficamente.

A centelha divina é mais uma conexão que cada um de nós tem com a divindade ou a supraconsciência, o universo, a força, a fonte da criação ou qualquer outro nome que você queira chamar de tal.

É difícil acreditar que um ser tão surpreendente quanto um humano seja uma mera agregação de matéria e elementos que funcionem perfeitamente em uma ordem estabelecida.

Nosso corpo é muito complicado para ser apenas matéria. Precisa haver algo que nos conecte com algo superior e extraordinário, e essa é a centelha divina, o sinal de que somos mais do que parentes dos macacos; mais do que sangue, ossos e elementos na tabela periódica. Nós somos energia invisível manifestada em carne. Essa energia é alimentada pela centelha divina, que alguns atribuem a Deus e aos outros ao Universo, à superconsciência ou a alguma outra entidade elevada.

Ativar sua centelha divina é se voltar para dentro e se conectar com o seu centro. Esta centelha divina em seu centro é representada pela letra G colocada no centro do quadrado e nas bússolas, simbolicamente no centro de alguém que transcendeu sua natureza bruta.